FNDE e Sebrae fortalecem a agricultura familiar melhorando merenda nas escolas

Pensando no desenvolvimento da agricultura familiar e em merendas escolares de mais qualidade, uma parceria entre Sebrae e FNDE – Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação – foi firmada durante o evento que premiou as Melhores Receitas da Alimentação Escolar. As receitas premiadas foram as cinco melhores receitas culinárias do país, sendo uma de cada região.

Segundo Heloisa Menezes, diretora técnica do Sebrae, o objetivo desta parceria é capacitar as famílias na produção agrícola familiar. O objetivo é que essa produção agrícola familiar passe a atender a demanda de alimentos destinado às secretarias de educação dos municípios e estados de todo o país. Esse abastecimento visa melhorar as condições dos alimentos servidos nas merendas das escolas públicas brasileiras e estimular a agricultura familiar a curto, médio e longo prazo.

Esses pequenos produtores rurais já são os principais fornecedores de alimentos para as escolas públicas. “Fornecer uma alimentação de qualidade é essencial para as crianças aprenderem todo o conteúdo. Essa parceria é estratégica, pois faz uma conexão entre a agricultura familiar e a alimentação escolar”, afirma Heloisa.

As escolas públicas brasileiras servem 50 milhões de refeições todos os dias, o equivalente a 4,1 milhões de estudantes da rede pública sendo beneficiados. “São gastos cerca de R$ 4 bilhões por ano com a alimentação escolar. São recursos que podem ser usados na compra dos produtos cultivados por agricultores familiares, que somam 4,5 milhões de propriedades em todo o país. Ganham os pequenos negócios, os alunos e as prefeituras”, explica Heloisa.

Segundo Rossieli Soares da Silva, secretário de Educação Básica do Ministério da Educação, as merendeiras do Brasil são ícones importantes no processo educativo exercido nas escolas públicas, levando em conta o importante papel que a merenda escolar representa no desenvolvimento da criança. “É da cozinha que surge a alma da escola”.

Um incremento na casa dos R$ 500 milhões nos recursos destinados a merenda escolar em 2017, que somados com outros repasses, já atingiram a casa dos R$ 4,1 bilhões em 2017. Melhores condições de trabalho para as merendeiras são questionados pelo presidente do FNDE. “Ainda não temos o total de merendeiras em atividade no país e muitas delas ainda não têm registro nas escolas, embora façam um esforço diário para garantir alimentação saudável aos estudantes”, disse Sílvio Pinheiro, presidente do FNDE.