Conheça o Desafio Bonn e sua importância – reporta Michel Terpins

Em todo mundo, pessoas e organizações estão preocupadas com o meio ambiente, o que levou a criação de iniciativas como Desafio Bonn, uma iniciativa internacional em função da restauração da paisagem florestal. Rodrigo Terpins e Michel Terpins, sócios da companhia de reflorestamento ambiental Floresvale, reportam um pouco mais do conceito do programa, sua criação, entre outras informações relevantes.

Iniciado em setembro 2011, durante um encontro em Bonn, na Alemanha, o desafio tem o objetivo de recuperar 150 milhões de hectares até o fim de 2020 e mais 200 milhões até 2030. Vários países aderiram, inclusive da América Latina e Caribe. Os governos destes países se comprometeram a restaurar 20 milhões de hectares na Iniciativa 20×20, dentro do contexto do Desafio Bonn.

São muitas as áreas que precisam de atenção e podem ser restauradas. No mundo todo são mais de dos bilhões de hectares, o que em extensão, supera a área da América do Sul. Áreas de clima tropical e temperado são onde estão a maior parte dessas terras.

A boa notícia é que o esforço pode render dividendos. Michel Terpins destaca a fala da executiva da Society for Ecological Restoration, Bethanie Walder. De acordo com ela os investimentos em restauração ecológica fazem sentido não só do ponto de vista ecológico como também econômico.

Os números da Iniciativa 20×20

A iniciativa visa, nos próximos 50 anos retirar da atmosfera quase 5 milhões de toneladas de CO2. Além disso, Michel Terpins enfatiza as estimativas do WRI – World Resources Institute, que mostram os valores destinados a iniciativa, que chegam próximo de US $ 1,15 bilhão. No decorrer dos próximos 50 anos, esse montante pode trazer retornos econômicos que giram em torno dos US$ 23 bilhões.

O Brasil também aderiu tanto ao Desafio Bonn quanto a Iniciativa 20×20. A contribuição voluntária brasileira é de restaurar e reflorestar mais de 12 milhões de hectares até 2030. Na Iniciativa 20×20 inclui também a recuperação de 5 milhões de hectares de áreas destinadas a pastagens até 2020.

Michel Terpins enfatiza a fala da diretora executiva da WRI Brasil, Rachel Biderman, que cita o Brasil. De acordo com ela, o país deve restaurar 12 milhões de hectares até 2030 para alcançar “grandes reduções nas emissões para o Acordo de Clima de Paris”.

A importância da restauração de áreas degradadas

A restauração compreende os processos de recuperação de um ecossistema que esteja degradado ou destruído para que ele possa ter condições de seguir sua trajetória natural. Restaurar as áreas vai ajudar a suavizar os efeitos das mudanças climáticas. O reflorestamento, nesse sentido, passou a ser um agente capaz de reverter a perda da biodiversidade, entre outros serviços importantes para a sociedade. Por isso tratados e acordos internacionais como a Iniciativa 20×20, o Desafio Bonn e o Acordo de Paris são tão importantes.

A floresvale

Michel Terpins e Rodrigo Terpins são sócio-fundadores da Floresvale, empresa de reflorestamento criada em 2009. Entre os ramos de atuação estão o manejo de florestas de eucalipto para serraria na região do Vale do Paraíba, É uma das empresas referências na região, uma vez que desenvolve um polo madeireiro sustentável, que supera os 4 mil hectares de áreas de manejo.